quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Transformados Indicam - Livros para Ler


 

Quando Jesus cumpriu sua missão entre os homens, ele se fez servo de todos, curando os doentes, cuidando dos abatidos e pregando o evangelho às multidões. Em tudo isso, concentrou-se na tarefa de fazer discípulos — pessoas que aprendessem dele e seguissem seus passos. Após sua morte e ressurreição, antes de subir ao céu, disse a seus seguidores: “vão e façam discípulos de todas as nações".

A Formação de Um Discípulo capta o mandamento neotestamentário de um discipulado custoso e duradouro – o padrão para cada crente em Cristo. Contudo, A Formação de Um Discípulo é mais que isso. Eis um tratamento prático e sistemático à formação de discípulos.

Eu já o li e super indico essa leitura. É um livro de cabeceira de cama, por ser pequeno e de simples leitura. Obviamente que nem todas as dicas do autor farão efeito em nossa vida e cotidiano, pois são contextos diferentes. Porém, tenho colocado em prática algumas dicas e tem dado certo. 

Tenho vivido essa experiência de "formar" um discípulo, onde tenho investido meu tempo inteiramente sobre essa pessoa e confesso: Vale a pena cada segundo.

IDE por todo o mundo e pregai o Evangelho fazendo discípulos de TODAS as nações - Jesus de Nazaré

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Sobre demônios interiores


“E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar”. 2 Coríntios 12:7

Vou direto ao ponto, sem enrolação. Cada um de nós sabe onde o calo aperta. Você e eu tentamos, sinceramente, ter uma vida de comunhão com Deus, ler a Bíblia, orar, sermos mais controlados, menos impulsivos, ter relacionamentos melhores em casa, no trabalho, escola/faculdade e tal. Tudo o que um bom cristão deve ter, certo? Mas, de repente, damos aquela velha escorregada fatal, damos voz aquele pecado que teima em não nos abandonar, caímos, choramos. Nossa auto-estima se vai, ficam acusações do inimigo e aquela sensação de “eu consegui fazer essa burrada de novo”. Torna-se mais difícil orar, ler, buscar a face do Senhor, confessar, sentir o amor e o perdão tomar nosso corpo.

Quando isso acontece, inevitável não lembrar dessa passagem onde Paulo fala que, para que ele mesmo não se ensoberbecesse pelo tamanho das revelações que havia tido do Senhor (vale muito a pena ler cuidadosamente todo o capítulo 12), havia sido-lhe dado um “espinho na carne”, um “mensageiro de Satanás”. Há várias teorias sobre isso, mas quase todas elas concordam que realmente tratava-se de alguma aflição física e que, assim como Jó foi atormentado por permissão de Deus, Paulo também pode ter sido afligido por algum anjo maligno com o consentimento do Pai, para que aprendesse a depender mais da Graça e tivesse na sua fraqueza, a fonte de toda a força, no poder do Senhor.

Simon Kistemaker diz em sua análise do capítulo 12: “Ao longo do discurso de Paulo sobre o gloriar-se, ele deu ao Senhor a glória e honra. Seu desejo é permanecer humilde e abster-se de gloriar-se de si mesmo e de suas realizações. Ele sabe que o privilégio de vivenciar visões e revelações celestiais poderia resultar em orgulho. A tentação de se elevar acima de seus companheiros era real”. Daqui podemos tirar algumas boas lições: 1) humildade; Paulo tinha todos os motivos, VERDADEIROS (verso 6), para gloriar-se, mas abriu mão disso para que a sua glória fosse a cruz de Cristo no seu corpo; 2) dependência; Paulo sabia que não tinha nenhuma virtude que pudesse chegar à Deus ou que pudesse utilizar para fazer sua vontade. Muitas vezes queremos tanto depender de nossas próprias habilidades para agradar a Deus ou trabalhar pra Ele, até mesmo com razões sinceras, mas cuja fonte está errada; 3) persistência; interessante observar o que o apóstolo diz no verso 10, “sinto prazer nas fraquezas”, parafraseando, eu sei que as minhas limitações estão nas mãos de Deus, estou sendo confrontado diariamente para depender mais dele, mas eu não vou desistir de jeito nenhum. Vejamos o que Paulo diz em Filipenses 3:3-14: “Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”.

Quando você ou eu formos assediados pela pornografia, pelo sexo fora dos propósitos de Deus, pela mentira, pela desonestidade, pela falsidade, por estes conhecidos demônios interiores, permitamos primeiramente que o Senhor nos confronte. Tenhamos a postura de confessar o pecado e a nossa determinação em segui-Lo, mesmo que sob lágrimas, mas que nunca jamais venhamos a desistir Dele. Nosso Pai, por meio do sangue do Cristo unigênito, nunca desistiu de nós!

Fábio Carvalho / @fabioccarvalho

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Antipatia Cristã - Atos 2 v.47


“Da multidão dos que creram, era só um a mente e o coração”, mas hoje em dia não.

Quando lemos atos, capítulo 2 v. 42 a 47 vemos uma Igreja apaixonante! Não necessariamente pelas pessoas, mas pela atuação poderosíssima do Espírito Santo sobre a vida de todos a ponto de, não só chocar a sociedade, mas também conquistá-la!

Os primeiros cristãos contavam com a simpatia de todo o povo. Lindo isso, não?

Não sou um entusiasta de resgatar práticas da Igreja primitiva. Mesmo por que, não se tratava de uma Igreja perfeita. Prova disso é o episódeo com Ananias e Safira. Mas fatos são fatos. Um fato real é o de que os atuais cristãos não contam hoje com a simpatia do povo. Muuito pelo contrário! Contamos com a antipatia! Onde tudo isso começou?

Talvez tenha começado com a oficialização do cristianismo no império romano. Ou, quem sabe com as cruzadas. Talvez a inquisição seja culpada, ou ainda, tudo isso junto e mais um pouco.

Olhando o texto, creio que é possível descobrir o “segredo” da Igreja para ter a simpatia de todo o povo. Mas não é apenas um! É um conjunto de fatores que gostaria de listar e discorrer sobre eles:

1- Estudo da Palavra com afinco. v.42

Se nos dedicassemos ao ensino dos apóstolos, não teríamos, como evangélicos, nem tempo pra sair falando tanta besteira, desculpem-me, asneiras, por aí. A Palavra de Deus deveria aproximar, mas sua má interpretação promove barbaridades que faz com que muitos se afastem. Inclusive evangélicos.

2- Comunhão e oração. v42

Talvez muitos se perguntem, pra que eu nasci? A resposta é simples, pra nos relacionarmos com Deus e com os outros! Há quem diga que foi para a Glória de Deus que fomos criados. Quem diz isso está redondamente certo! Mas Deus é glorificado através de sua comunhão conosco. E de muitas outras formas também, claro, mas creio que seu relacionamento conosco é o “jeito predileto” dEle.

Basta lembrar que o resumo de toda a lei é “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo.” Se isso não tem relação com relacionamento, então não sei o que tem.

3- Temor ao Sagrado e sobrenatural v.43

As vezes nos esquecemos de quem é Deus! Isso é bem grave. Temor tem forte relação com medo. Não estou afirmando que medo é algo presente na nossa relação com Deus, mas temos que entender que temor é um sentimento profundo que envolve total e completo respeito por quem Deus é! Deus é Santo, Santo, Santo. Sua presença resulta em manifestação do Seu poder.

4- Viver sob perspectiva da volta de Cristo

Para os primeiros cristãos, isso era tão forte que simplesmente não sentiam necessidade de ter posses. Pois isso, tudo lhes era em comum. Isso derruba a estrutura, ou a base, do poder! Quem não sonha em poder se livrar dessa loucura que é ter pra se viver? Provavelmente eles não tinham um estilo de vida estressante pois suas ambições não tinham nenhuma relação com posse e competição, mas com a volta de Seu Senhor.

Quero acreditar que como cristãos, ainda podemos contar com a simpatia do povo. Mas apenas se nos voltarmos às praticas resultantes da presença do Espírito Santo, como foi com nossos irmãos do passado.

Só é possível contar com a simpatia do povo novamente, se houver a presença do Espírito. Sendo assim, concluo: Nos voltemos à Deus e à sua Palavra e o povo voltará seus olhos à nós.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Quanto vale seu tempo?


No dia 18/02, eu e o Arthur (meu pupilo discípulo) estivemos presentes com os garis em um dos encontros semanais. Era apenas “mais” um encontro com devocional, mas resultou em uma experiência linda.

Estávamos com “pressa”, tínhamos acabado de sair da Igreja (Onde o Arthur é membro), pois o mesmo estava ensaiando o teatro que iriam apresentar no acampamento de carnaval da Presbiteriana. Nosso tempo era curto e tínhamos muita coisa pra fazer antes de irmos, porém o encontro com eles era prioridade.

Sabe aquele dia no qual tinha TUDO para não dar certo? Pois bem, era exatamente esse dia (de certa forma). A mãe do Arthur não poderia nos levar até o lugar do acampamento, as luvas do teatro não tinham ficado prontas e não tínhamos lugar pra almoçar. Estávamos à manhã toda praticamente sem comer nada, e tínhamos um dia cheio (até a janta do acamps :P). Fomos até o lugar onde nos reunimos com os garis por volta das 11:30 da manhã, e como sempre fomos bem recebidos por eles.

Acho que nossa expressão de fome era tão grande, que a Fátima (Uma das Garis) nos convidou a almoçar. Eu já tinha tido uma experiência de almoçar com eles sozinho, mas dessa vez era diferente; afinal eram mais duas pessoas pra dividir o almoço com eles. Olhei então para o Arthur e perguntei se e ele estava “a fim” de almoçar. A resposta foi um sim imediato.

Logo disseram para pegarmos pratos, talheres e sentarmos com eles. Não sei qual foi à reação do Arthur, mas a minha ao vê-los novamente dividindo a própria comida conosco não há como descrever em palavras, ou melhor; apenas fui grato a Deus por aquele momento. Então sentamos e almoçamos juntos, conversamos sobre várias coisas e dividimos nosso tempo com eles. Sem dúvida, foi um momento memorável. Creio que é isso que Jesus quer que façamos, saiamos das 4 paredes que nos cercam e busquemos viver experiências que nos deixem mais humanos. Naquele momento me senti igual a eles (não que eu seja superior, mas a sociedade os rebaixa a zero) e confesso: Prefiro estar com eles à numa roda de “crentes” que se acham as melhores pessoas do mundo.

“São coisas simples que marcam nossas vidas, experiências que ninguém dá valor, servir Deus no anonimato”

“Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” – Romanos 14:17

Sei que Deus irá fazer muitas coisas nesse projeto, pois é fiel para completar a boa obra. E eu? Somente sou uma pessoa na qual Deus tem usado para fazer a diferença na vida deles.

Obs: O Sorriso deles quando dissemos que iríamos almoçar com eles sinceramente não tem dinheiro nenhum que pague.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

O SOFRIMENTO DE SEGUIR A CRISTO: UMA VERDADE INCONVENIENTE





Quando eu tinha 18 anos, eu estava no meu quarto, certo dia, orando, e Deus falou comigo claramente, através de um texto no livro de Atos dos Apóstolos, e naquele momento, eu recebi um chamado do Senhor para trabalhar de tempo integral na obra. Um chamado missionário.
Era época de vestibular, mas o meu sonho naquele momento, a minha vontade, era largar tudo e ir para a Jocum.
Naquele tempo, a única referência que eu tinha em termos de missões era a Jocum. Por isso, meu primeiro ímpeto, era o de ir para lá, fazer uma escola de treinamento, e depois ser enviada para servir a Deus em algum lugar do mundo.
Meus pais, acharam tudo isso uma loucura. Não tinham experiência com Deus, nem entendimento na sua palavra. Na ânsia de garantir um futuro para mim, o que é uma preocupação natural de todos os pais, eles me obrigaram a fazer o vestibular e a faculdade.
Comecei o curso de Direito, e logo em seguida passei em um concurso para trabalhar no Fórum, emprego este que tenho até hoje.
Sou bacharel em Direito, e funcionária pública. Mas nunca deixei de acreditar no meu chamado, na minha vocação. 
Nos últimos anos, amadureci bastante, e vejo que Deus está preparando a hora certa para que os seus planos e a sua vontade se estabeleçam na minha vida, nessa área.
Mas uma coisa que eu aprendi durante este tempo de espera, é que estar na obra de Deus não é tão fácil, tão lindo, ou um ‘mar de rosas’, como eu pensava.
Claro que servir a Deus e estar no centro de sua vontade, é o melhor lugar em que a gente pode estar. Mas me refiro aqui a ideia ‘romântica’, por assim dizer, que eu tinha de ministério, e que, infelizmente, muitos ainda têm.
Antigamente, eu achava que ser missionário seria algo emocionante, empolgante. Achava que não iria encontrar nenhum tipo de dificuldade, e que todas as portas se abririam, e todas as necessidades seriam ‘magicamente’ supridas, pelo simples fato de se estar na ‘obra.’
Contudo, ao longo dos anos, pude acompanhar a vida de muitos amigos que estão no ministério, servindo como pastores e missionários. E na prática, o que pude constatar, é que a vida ministerial não é nenhum pouco ‘glamourosa.’
Ao contrário dos mega-templos, e dos mega-pastores que vemos nos programas evangelísticos da tv, a grande maioria dos pastores e missionários que conheci e conheço, enfrentam problemas de ordem financeira, muitas vezes passando necessidades básicas, tendo grande dificuldade para manter sua família de forma digna.
As igrejas em sua maioria não têm uma estrutura para sustentar o pastor e sua família, e às vezes, elas tem que lutar para pagar o aluguel dos prédios que ocupam.
Muitos não são valorizados pelos membros das congregações, que, no entanto, querem que os pastores e os missionários estejam a disposição 24 horas por dia.
Isso sem falar naqueles missionários que estão naqueles países africanos como a Somália, vivendo no meio daquele povo, esquecidoS por todos, menos por Deus.
Essas pessoas permanecem no ministério por uma questão de fé e obediência. 
E eu estou convencida, cada vez mais, de que a vida cristã, ao contrário das pregações triunfalistas que se ouve por aí, envolve sim um certo grau de sofrimento.
Aliás, gostaria de fazer aqui um pequeno questionamento: e se o preço de conhecer mais a Deus, de ser mais íntimo Dele, de ter experiências sensacionais e profundas com Ele, for o sofrimento? Seja ele físico, emocional ou espiritual? Você está disposto a isso?
A verdade é que o sofrimento nos faz amadurecer, e nos aproxima mais de Deus.
Se você for sincero, você vai olhar para sua vida, e vai constatar que os momentos em que você mais buscou a Deus, foram nos momentos de dor e de dificuldade, não é verdade?
O sofimento faz parte da nossa caminhada com Deus.
Jesus nunca ‘mascarou’ o preço de segui-Lo.
Ele disse em Lc 14:26-33:
“Se alguém vier a mim e não aborrecer a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos e irmãs, e até mesmo sua própria vida, não pode ser meu discípulo. Qualquer que não tomar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo. Se algum de vós está querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar?”
Jesus nos convida a refletirmos: se alguém de vocês resolve edificar uma torre, fazer alguma obra, não vai sentar antes, fazer as contas, para ver se tem como concluí-la? Da mesma forma, pense bem, avalie, se você quer ser meu discípulo. O padrão é esse: renúncia de tudo e de todos. Porque Deus tem que estar em primeiro lugar.
Acho importante frisar isso, porque infelizmente, muitas pessoas hoje querem seguir a Jesus no ‘oba-oba’, na festa, só na alegria. Aí quando chega a tribulação, abandonam a fé.
Mas a chave para se permanecer servindo a Deus, aquilo que mantém uma pessoa no ministério apesar das adversidades, é uma compreensão profunda, de que o conhecimento de Cristo é o que há de mais importante em suas vidas, não importa o preço a se pagar.
O anseio de conhecer mais do Senhor, a sede de se experimentar cada vez mais de Deus, a certeza de que o que temos hoje em termos de conhecimento de Deus não é o suficiente, faz com que tudo o mais diminua, diante da grandeza da beleza, da santidade, e do amor de Deus para conosco.
Foi essa a conclusão que Paulo chegou em Filipenses 3:8,10:
“Tenho por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por quem sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como refugo, para que possa ganhar a Cristo, e seja achado nele.... Desejo conhecê-Lo, e o poder da sua ressurreição...” 
Por isso, estar na obra não é fácil. Servir a Deus genuinamente, de todo o coração, é muito difícil. Precisamos estar conscientes, que o caminho é estreito, e que lutas virão. Isso tudo faz parte da nossa jornada. Jesus nos advertiu sobre isso, para que não viéssemos a desanimar, quando as dificuldades aparecessem. Daí a importância de não fugirmos dessa realidade.
Mas tudo isso não se compara ao conhecimento Dele. 
Porque “a vida eterna é esta: que conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” João 17:3.
Conhecer a Deus. Esse é o alvo da nossa vida. Esse deveria ser o objetivo, a motivação por trás de todas as nossas ações dentro do Reino.
Essa é a consciência que todo o discípulo de Jesus deve ter, antes de segui-Lo de todo o coração.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Não existe pastor "Ungidão"


Mais uma palavra excepcional do Pr. Ariovaldo Ramos.
Não precisa nem de legenda!

Deus Abençoe!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Protagonistas da História de Deus


Talvez seja utópico de minha parte, mas sonho com o dia em que poderemos no tornar pessoas capazes de confessar que somos pecadores. Mas quando o fizermos, qual será o resultado? Quais serão as conseqüências para cada um de nós?

Sinceramente eu tenho medo das respostas, pois infelizmente a Igreja pós-moderna não sabe lidar com o pecado em geral (“classificando-os” em pecadinhos e pecadões). A Igreja precisa aprender a ser Igreja novamente, olhar com os olhos do “amor” e não com os olhos do “julgamento”.

A verdade é que Deus nos chama a sermos “protagonistas” da sua história. Acredito, sim, que, quanto mais falamos a verdade a nosso próprio respeito, da maneira apropriada, agradável e condizente, mas eficaz nossa liderança se tornará e iremos desenvolver um caráter de protagonista. Quanto mais falar de nossas falhas de caráter, mais Deus usará isso para o propósito d’Ele.

Fato é que NÃO, não estamos preparados para lidarmos com isso. Infelizmente muitos foram moldados com a ideia de que santidade é igual a “perfeição”; uma grande mentira. Olhamos para os nossos líderes e automaticamente pensamos que são “heróis” (e até fazemos isso com os personagens da Bíblia). Precisamos entender que (tanto os personagens da Bíblia) quanto nossos líderes são pessoas como eu e você, com falhas, erros, defeitos, virtudes, qualidades e etc. A única diferença que vejo, é que essas pessoas entenderam o chamado de Cristo, e apenas estão sendo os “protagonistas da história de Deus”.

Porém, é muito comum pensarmos que compartilhando nossas fraquezas perderemos o respeito. E isso acontece muito com os líderes (onde muitos escondem seus problemas com medo de algo). É preciso ser submetidos a uma transformação radical, abrindo-nos para ser exemplos de redenção – passada, presente e futura.

“Não me vejo como líder de alguém ou muito menos de um grupo específico. Mas me sinto transformado para servir o próximo em amor”.

Tenho experimentado um tempo “novo” ao falar sobre quem sou aos que caminham comigo. Abrir-se exige tempo, prudência e sabedoria. Por outro lado já não consigo “esconder” minhas falhas, sinto-me livre para dizer quem eu sou de verdade.

“O líder transformado ora com maior desespero e freqüência do que jamais o fez antes de experimentar uma transformação radical. Precisamos ter um caráter que convide as pessoas a enxergar a bondade de Cristo e ser protagonistas que suscitem curiosidade e estimulem as pessoas a descobrir o que significa ser perdoado e livre para viver com paixão e alegria – Dan Allender

POR FAVOR! Vamos ser pessoas saudáveis, construir relacionamentos sinceros para que possamos confessar quem somos “quando ninguém está vendo”. A Igreja precisa SER e ESTAR saudável para ajudar pessoas “machucadas e feridas”.

Antes de tudo, é preciso analisar quem somos pela graça de Deus; e assim sermos apenas os “Protagonistas da História de Deus”, nada mais nada menos que isso.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Ele pode socorrer

Todos nos passamos por tentações hoje, e muitas pessoas falam que não é possível passar pela tentação sem se manchar com ela. ERRADO..
Jesus como HOMEM nos mostra que é possível sim, passar pelas tentações sem se manchar com elas. MT 4.
Jesus foi tentado em 3 tipos de área, física pois teve fome, emocional pois poderia querer provar se Deus iria mesmo o guardar e a psicológica pois se ele adorasse ao diabo teria a "tudo". Sabe como Ele venceu isso ? Usando a palavra de Deus. TÁ NA HORA DE LER MAIS A BÍBLIA ENTÃO CHAPA !

Jesus sabe o que é ser tentado como homem, e ele sabe bem como te socorrer.

"Considerando, portanto, tudo o que Ele mesmo sofreu quando tentado, Ele é capaz de socorrer todos aqueles que semelhantemente estão sendo atacados pela tentação" Hebreus 2:18

Não se desespere mais com o impasse de a tentação é maior do que eu, faça como JESUS use a palavra de DEUS contra a situação em que você se encontrar.
E se você já caiu em tentação, não fique prostrado levante-se peça perdão dos seus pecados corra para o trono da graça.. "Portando, acheguemos com confiança ao trono da graça, para que recebamos misericórdias e encontremos o poder que nos socorre no momento da necessidade" Hebreus 4:16

Deus abençoe vocês !

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Vivendo o que Cristo ensinou! Uma parte do meu testemunho.


Para os amigos mais chegados sabem que dezembro em minha vida não foi nada fácil! Mês de decisões difíceis, de choro e muitas perdas. Eu que tinha tudo, de repente eu me vi sem nada! Nada mesmo... foi me tirado a casa, os móveis, eletrodomésticos, documentos, roupas... (creio que não compensa contar o porque... vamos apenas considerar que Deus permitiu!)

Eu que sempre prego e insisto no Evangelho Puro e Simples, que odeio a Teologia da Prosperidade tive que sentir isso mais na pele! Creio que fui provado mesmo... Lembro-me no inicio desse janeiro entrar na minha casa que tinha acabado de alugar e ter apenas um colchão de solteiro para mim, esposa e filha! E foi quando dei a mão a minha esposa e disse a ela que iria orar... Irmãos, foi uma das orações mais lindas que já fiz... Lembro-me de não ter conseguido falar muito pois o choro tomou conta da minha alma.

Nessa oração me veio a mente os pastores da "Prosperidade" e eu prometi que não iria pedir nada! Nada de material... Então Apenas agradeci, e agradeci... Agradeci pela prova, agradeci por aquele único colchão, agradeci pela saúde... E depois desses agradecimentos o choro foi minha oração. 

Irmãos, creio que muitos de vocês cantam: "Só tua graça me basta" ... Deve ser muito fácil cantar, porém viver isso é uma outra história. Mas foi onde me agarrei! E na minha fraqueza o Senhor me fez forte! E aprendi a viver na total dependência do Senhor. Hora nenhuma perguntei a Deus o porque aquilo estava acontecendo! O porque eu? Porque tinha perdido tudo? Não... eu tinha motivos... Mas aceitei e aprendi a louvar em meio a lutas e a necessidade.

Foi então amigos que comecei a experimentar o imenso amor e fidelidade do Senhor na minha vida! Infelizmente não pude contar com minha igreja onde cada um só se importa com seu próprio umbigo, mas creio que eles lerão esse texto e o Senhor irá falar com eles. Mas então Deus começou a levantar irmãos... 

Quando me faltou alimento Deus enviou dos irmãos daqui de BH, um pastor e um evangelista que conheci no Protesto na Marcha para Jesus 2011 em outubro que me abençoou. Era uma noite chuvosa, triste como estava minha alma... Mas então quando entrei naquela loja (onde um deles é o proprietário) e ver aqueles irmãos exercendo o verdadeiro cristianismo. Eles conversaram comigo, oraram e contamos testemunhos... A presença de Deus foi tão real naquele lugar!

Contei resumidamente minha história para ambos, e um novo personagem estava para entrar nessa história. Vamos chama-los de "Bastos" (nome fictício). O amigo pastor entrou em contato com ele e que se dispôs a ajudar. Ele me ligou dizendo que tinha uma  geladeira usada em ótimo estado. Marcamos e ele foi até minha casa levar. (Até o carreto ele fez questão de custear) No dia marcado eu não estava lá pois era horário comercial, sendo assim minha esposa o recebeu. Ele entrou em minha casa para ajeitar a geladeira e viu que eu tinha o fogão mas não tinha gás. 

Quando cheguei em casa a noite recebi a ligação do Bastos, falando se eu podia espera-lo até por volta das 22hs porque ele iria levar o gás para mim. (Cá entre nós... eu esperaria até 5hs da manhã... rs). Foi nesse dia que pude conhecer o Bastos e sem impactado com a atitude daquele irmão. Vocês podem estar pensando que ele tem posses e tudo para estar ajudando assim. Pois afirmo que não! Ele é um homem simples, porém leva consigo cravado em seu coração algo que não se vê muito: Amor! Amar ao próximo como a nós mesmos... 

Irmãos, a atitude dele de ter se incomodado por alguém que ele nem conhecia. De ter ido a minha casa de manhã e visto a necessidade voltou a noite. Lembro dele me dizendo:Como posso comer em minha casa sabendo que tem um irmão que não tem o que comer, que não tem o que vestir. Segundo ele mesmo disse: "Isso é o Cristianismo".

A atitude dele não impactou só a mim, mas a minha esposa e todos que íamos contanto. Mudou minha maneira de enxergar o meu irmão. Hoje enxergo a necessidade de meus irmãos de uma outra ótica. Enxergo com as lentes do "Amor", o amor de Deus, o amor ao próximo, ama-los como a mim mesmo. 

O Bastos me ensinou isso. Não com palavras, pregando com uma bíblia na mão ou com folhetos. Mas com atitudes. 

E a fidelidade de Deus não se resumiu ao Bastos, tive amigos da internet que de longe enviaram solidariedade! Desde carinho, força, orações a liquidificador. 

Escrevo com lágrimas nos olhos! Chorando de emoção e constrangido pelo amor desse Deus que sirvo. E hoje quero terminar aquela oração que comecei quando entrei pela primeira vez naquela casa alugada, minutos depois de receber a ligação que todos os meus pertences foram roubados... Senhor hoje te agradeço ainda por aquele colchão de solteiro, ainda com bolores de mofo... te agradeço pelos meus amigos e irmãos, agradeço por ter me escolhido dentre tantos para passar por esse vale, obrigado porque    não me faltou NADA... Obrigado! 

Eu fui prospero! Porque não me faltou nada... Isso sim é ser prospero: Ausência de necessidade! 

Espero viver o que Cristo me ensinou! Amar o meu irmão... Pois sei que serei reconhecido como testemunha do meu Senhor e Salvador Jesus Cristo quando amar o meu irmão. Me ajude Senhor, coloca no meu coração todas as manhãs essa nessecidade de ajudar, acolher e amar o meu irmão. Quero fazer a diferença nesse mundo... Não deixe que se cumpra em mim a profecia: O amor de muitos se esfriarão...

Encerro aqui, ressaltando que ocultei alguns nomes e coloquei outros fictícios pois sei que as pessoas envolvidas não se sentiriam a vontade. Fazem exclusivamente por amor e não para ser reconhecido.


Grato aos amigos pelas orações e forças: Grace Bichara, Anna Evangelista, Ronivaldo Brandão, Thiago Schadeck, Diana Esnero, Márcia Gizella, Pr. Neilton, Evangelista Arlen e sua esposa, Cleinha, Meus pais, Tia Lilian, Tia Dani e tantos outros..

Postou Wagner Lemos ainda reconstruindo a vida, mas certo que tudo pode sofrer no Deus que me fortalece! 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Uma graça barata?


A Graça, manifestada a este mundo no sacrifício do Deus-Filho, será para sempre, nesta dimensão, incompletamente compreendida. Por mais reflexões que existam, livros, textos, por mais debates que possa haver, ninguém compreenderá a plenitude do que significou a morte do inocente Jesus de Nazaré numa cruz, sendo torturado, esmurrado, desprezado por todos e momentaneamente por Seu Pai, qual a extensão dessa entrega voluntária, qual o divino e eterno propósito envolvidos ou simplesmente, o porquê. Se a Graça nos alcançou um dia e efetivamente ela chegou até nós, resta-nos ser gratos, sempre, a esse Deus que “com amor eterno nos amou e com bondade nos atraiu” (Jr 31:3). Tudo o que temos são pequenos lampejos, flashes, fragmentos da Graça que fazem parte de um todo ainda nublado. O sangue de Jesus Cristo nos abriu e abre diariamente um caminho novo, limpo e direto ao Pai, um acesso a Sua santidade inviolada, ao Seu Reino e a uma vida abundante que está a nossa disposição agora. Partilhar o caráter da Trindade, como Corpo de Jesus é um privilégio sem igual. Ser habitação do Espírito Santo, nosso ajudador, que está dentro de nós e ao nosso lado, é viver hoje a esperança da glória vindoura.
Assim, Deus nos deu um destino absolutamente imerecido e também arrumou pra Si mesmo um “problema”: ser refém da Sua própria Graça, nunca poder negar a um pecador consentido a chance de recomeçar. Deus fica de mãos atadas frente a uma confissão e um pedido de perdão, por pior que seja o infrator. Ele não poderia “se dar ao luxo” de virar as costas para ninguém, mesmo que o mundo todo vire. Mesmo que houvesse um clamor por justiça, mesmo que houvesse um réu julgado e sentenciado no banco, ele receberia clemência do Pai, se invocasse o Seu nome, tendo todo o seu mal apagado, anulado, esquecido, por causa Daquele que “riscou o escrito da dívida que havia contra nós” (Cl 2:13-14). O perdão fez de Deus um escravo do Seu próprio amor:
“E todos nós recebemos da sua plenitude, e graça por graça” (Jo 1.16);
Porque eu lhes perdoarei a maldade e não me lembrarei mais dos seus pecados" (Hb 8:12).
Como filhos de Deus, comprados pelo precioso sangue de Jesus, vivemos inundados neste mar da Graça do Pai, disponível 24 horas por dia, sempre pronta a nos socorrer, sempre perto de nós. Nunca seremos decepcionados, nunca ficaremos ao relento, nunca seremos negados, por mais que sejamos infiéis. O juízo de Deus é refém do Seu amor.
Frente a essa oferta, podemos responder ao Senhor de duas maneiras: ou vivemos piedosamente, em busca de santidade pessoal e no Corpo de Cristo ou optamos por viver sem assumir responsabilidade diante de Deus, crendo da dispensação inerrante da Graça.
Penso que temos presenciado uma geração sem muito compromisso com Jesus, que tem optado por uma vida somente baseada em princípios cristãos de moral e ética (não roubar, matar, mentir, etc.), sem realmente tomar a cruz a cada dia, sem ter renúncias frente às ofertas desse mundo, sem ter o sofrimento, marca daqueles que seguem o Senhor com integridade e sinceridade. Gente que “barateou” a graça de Jesus, vivendo a intensidade e o momento, deixando de lado a perspectiva celestial. Essa questão não é nova, Paulo já trata sobre ela extensamente em Romanos 6: “Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum”. (Rm 6:15).
Meu desafio pra você é que faça a opção pela santidade! Deus conhece as suas falhas e limitações, mas escolha servir, escolha a vida de Cristo, escolha sua Cruz. Suas opções nessa vida serão abundantemente recompensadas pelo próprio Senhor na glória que virá um dia. A Palavra traz advertências quanto ao nosso modo de viver:
“Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade”.
1 Tessalonicenses 4:7 (leia o capítulo todo!)
“Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor”. Hebreus 12:14
“Assim como vocês ofereceram os membros dos seus corpos em escravidão à impureza e à maldade que leva à maldade, ofereçam-nos agora em escravidão à justiça que leva à santidade”. Romanos 6:19
“O Deus de toda a graça, que os chamou para a Sua glória eterna em Cristo Jesus, depois de terem sofrido durante pouco de tempo, os restaurará, os confirmará, lhes dará forças e os porá sobre firmes alicerces. A Ele seja o poder para todo o sempre. Amém”. 1 Pedro 5:10-11.
Vida de santidade é sacrifício diário, mas a alegria é do Senhor. Você é convidado a participar e experimentar a paz transcendente!
"O senhor respondeu: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no pouco; eu o porei sobre o muito. Venha e participe da alegria do seu Senhor! ’ Mateus 25:23.

Fábio Carvalho / @fabioccarvalho

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

A Boa Palavra


Tiago 3 v.1-12

Na carta de Tiago, a fagulha é comparada com uma má palavra que provoca incêncio. Outra consequência da má palavra é a ira, esse sentimento conduz o indivíduo ao pecado.

A má palavra gera mágoa, e esta, por sua vez, gera raiz de amargura. Pessoas amarguradas, são assim por causa do excesso de más palavras que ouviram e por não saberem como lidar com elas. Essas pessoas costumam produzir em seus corações, raízes de amargura.

É necessário pedir à Deus que tire essas raíses (isso dói, pois raízes sempre são profundas e quando retiradas, remexem o solo e traz à tona o que estava embaixo!) e coloque um unguênto de cura. Só assim a pessoa consegue livrar-se do fardo de receber qualquer palavra como má e consegue deixar de dar a má palavra.

Mas e as boas palavras? Ahhh, a boa palavra é incentivo, edificação, sinônimo de contrução. A boa palavra é como o vinho, ou como a unção com óleo! Mas a característica mais poderosa da boa palavra é o poder de desviar o furor! Qual fúria verbalizada não é aplacada pela brandura? Pouquíssimas.

Sempre será mais fácil destruir do que construir. Temos que pensar mais de uma vez antes de dar a má palavra, pois seus efeitos, podem ser muito destrutivos. Mas não devemos economizar na boa palavra.

Por que não fazer um elogio quando esse nos vem à mente? Por que não agradecermos à Deus todos os dias ao invés de reclamar?

Lembre-se, não poupe/economize nunca as boas palavras. Da nossa boca devem sair somente palavras que edifiquem!