terça-feira, 10 de abril de 2012

Páscoa Missional - Servindo o próximo em Amor


Como diz John Wesley: “não existe religião solitária, mas sim solidária”.

A teologia não apenas coopera com a igreja ao fazê-la entender o sentido da missão e a base para o plantio de Igrejas como também provê o entendimento bíblico motivacional para o evangelismo (e pra mim evangelismo é relacionamento diário). Devemos entender que a missiologia, por outro lado, dirige teólogos para o plano redentivo de Deus e os ajuda a ler as Escrituras sob o pressuposto de que há um propósito para a existência da Igreja (e me refiro as pessoas e não templos). É de suma importância que missiologia e teologia caminhem de mãos dadas para a glória de Deus, a fidelidade das Escrituras e a evangelização dos perdidos.

E assim é que tenho tentado desenvolver meu cristianismo juntamente com os garis de Ponta Grossa nesse período de 1 ano e alguns meses. Confesso que é um trabalho árduo, às vezes; nós como somos apressados queremos ver os resultados logo, se possível “pra ontem”. Mas sabemos que com Deus as coisas não funcionam bem assim, levam tempo para ter crescimento. Por outro lado também, tenho visto os milagres de Deus nos mínimos detalhes. É graça, abundante graça.

Estar vivendo esse tempo junto aos garis tem me proporcionado a olhar o mundo sob um novo prisma, pois imagens são como ônibus. Uma imagem não é algo fixo. Imagens são como janelas através das quais olhamos para o que está longe. Cada janela nos oferece uma visão nova. As imagens convidam cada uma a formar sua própria imagem. Elas abrem nossos olhos. Mas deixam-nos também a liberdade de enxergar mais além, se não nos disserem nada. As imagens querem abrir uma janela para que possamos ver Jesus de uma maneira nova. Mostram-nos dele algo que a teologia conceitual não consegue mostrar. Atualizadas, revelam coisas novas na figura de Jesus. Imagens são como ônibus. Elas nos põem em movimento. Levam-nos para frente. Mas os ônibus, às vezes param. Não conseguimos ir mais adiante. Temos então que descer e então tomar outro ônibus; temos que procurar outras imagens que nos permitam descobrir em Jesus coisas novas. 

Nessa Páscoa buscamos olhar Jesus "por outro olhar": Meditar sobre a Morte, Ressurreição e a Nova Vida. Creio que aquele momento foi memorável a eles, como foi a mim e a Larissa (Que participou e ajudou), de forma simples ela diz:

“Foi uma benção, você fazer algo por alguém e ver a gratidão nos olhos da pessoa é maravilhoso, senti o coração transbordando”.

A Igreja-serva tem como seu “ministério” a “servitude” dentro do mundo; ou seja: é necessário uma redescoberta do sentido do papel de servo na relação da Igreja com o Mundo. Se as estruturas da Igreja treinam os crentes apenas para praticar a presença de Cristo dentro da comunidade cristã, e, portanto, deixando de treiná-los para reconhecerem a presença de Cristo nos pontos das necessidades do mundo, e assim servirem a Cristo nesse “altar”, então aquelas estruturas são heréticas.

O diálogo sempre será a forma primária de relacionamento. Onde falta diálogo, falta relacionamento, onde falta relacionamento falta vida cristã.

Agradeço a Deus por todas as pessoas que tem orado, ofertado e ajudado de alguma forma esse simples projeto. Que a graça, a misericórdia e o amor do Pai seja conosco todos os dias.

E lembre-se:

“O Reino de Deus é construído entre amigos”.

Obs: Cada um ganhou uma cesta com chocolate e uma cesta com alimentos básicos. Toda honra e glória seja dada a Deus.

@faysonmerege























Nenhum comentário:

Postar um comentário